Mais updates do Fashion Rio: veja o que rolou no Pier Mauá no quinto dia de desfiles…

Giulia Borges

A estilista Giulia Borges usou roupas de mergulho e de surf , usou o cetim (encorpado) e desenvolveu sua coleção, fazendo vários tops, saias curtas e rodadas, shorts e vestidinhos,com recortes coloridos, franjas e “fendas” em que se pode ver a pele. Alguns poucos vestidos românticos surgiram, e, para fechar o desfile, peças em um neoprene perfurado em flores como uma laise de última geração, muito bonito.

Patachou

A marca já havia mostrado muito de sua coleção no Minas Trend Preview, cuja inspiração eram as fotos de flores e folhas do fotógrafo Nick Night, trazendo muitas peças em branco e preto, pincelads aqui e ali de amarelo ou vermelho. Foram vários vestidos curtos, ajustados com volumes de drapeados e camadas de tecido, ou com grandes pastilhas ou gotas translúcidas.

British Colony

A British Colony, de Maxime Perelmuter, volta a desfilar sua roupa de extremo rigor técnico – e veste muito bem. A grande estrela é a coleção masculina, com os ternos (curtos, com um botão só!) de tecidos finos de camisaria, tipo chambray, linhos e tecnológicos. As meninas tiveram reservados para elas vestidos tipo alfaiataria e sapatos oxford com recorte nas laterais, em vinil.

Juliana Jabour

Juliana desenha para mulheres jovens e antenadas, por isso trabalhou detalhes, brilhos, e fez vestidos leves, sexy e bem cortados, cobertos por paletozinhos cheios de detalhes, debruns e babados, além de shorts e as micro saias. Uma coleção bem bonita e que deve agradar ao seu público.


Carlos Tufvesson

O destaque na coleção do estilista, que aprecia – e muito – o exagero, foi o cocktail dress, mas muito curto, cheio de drapeados e faixas cruzadas nas costas, numa cartela de cores vivas e estampas multicoloridas.  Tem também peças em malha de aço, prateada ou dourada com paetês pretos, além de, veja só, jeanswear e beachwear.

Espaço Fashion

Na contramão de um verão que se anuncia pendendo para um certo minimalismo, com pegada esportiva, a Espaço Fashion mostrou uma coleção cheia de tecidos e texturas, algo volumoso demais para a estação, cheia de drapeados, recortes…

Há boas estampas digitais, novamente aparecendo o floral, além de abstratos. Peça chave da coleção, os bustiês se mostram na passarela e devem permanecer fazendo sucesso nas araras das lojas.

Anúncios

O Fashion Rio este ano veio diferente, muitas mudanças nas grifes que estão desfilando… percebe-se claramente, no entanto, a tentativa de resgatar a moda que valoriza o Rio como destino turístico badalado e que receberá os turistas de braços abertos nos eventos esportivos mais importantes do calendário mundial. Há menos interferência das tendências dos birôs de estilo, a moda está mais autoral, leve como pede o verão carioca.

Há, claro, erros e acertos – afinal, o exercício de criatividade impõe que isso aconteça. Mas a novidade impera, é a vitória do estilo descolado do Rio (que, afinal de contas, é berço da moda praia mais cobiçada do mundo. Como se viu, grifes como Totem e Graça Ottoni mostraram um Rio cara de balneário-chique, cheio de estilo (sem aquela cara de “roupa tropical”!!). E o grande destaque – so far – foi mesmo o desfile da grife de moda-praia de Lenny, com suas peças de modelagem impecável e investimento tecnológico eos materiais.

Modelo desfilado pela Lenny, destaque do Fashion Rio

Domingo de desfiles, assim foi o dia no Fashion Rio, edição Verão 2011…

Blue Man

Foi o retorno da Blue Man às passarelas do Fashion Rio, e em grande estilo: com trilha do violonista Yamandú Costa, desfilou no Teatro Glaucio Gil, em Copacabana, uma coleção inspirada em Sevilha (de Garcia Lorca) e Andaluzia (e suas dançarinas de flamenco) e assinada por Marta Reis.

Bonitas e elegantes estampas florais (onipresente neste Fashion Rio!), e padronagens de azulejos e arabescos mouros, mais os recortes que misturavam os desenhos, os dourados, tricôs, cordas… e também um clima de lingerie, com cetim e renda dando um certo ar de sensualidade, mas nada em demasia. Até as cavas são corretas, os decotes redondos nas costas e os tomara-que-caia são comportados, no lugar. Por fim, tem drapeados e tiras trançadas no peitos.

A coleção masculina é mais básica – até demais -, com sungas quadradas e bermudões com grafismos, em tons pastel e com cara de antiguinhos.

Filhas de Gaia

A marca Filhas de Gaia mostrou uma coleção leve, com vestidos – inclusive drapeados – que traziam uma bonita ilustração de cupcakes e formigas, acompanhados de bermuda ciclista para dar um ar esportivo. Uma outra proposta, meio boudoir, mostrou corsets e cinta-liga.

Cavendish

A grife elegeu os vestidos como peça chave da estação, de todos os tipos : dos soltinhos aos godês, justos, cintura baixa, de um ombro só, tomara-que-caia, franzidos, de mangas curtas, de mangas compridas… todos muito curtos. Havia também calças, mais larguinhas em cima e justas embaixo e  shorts (combinados a blusas justas e paletós curtos.

Melk Z-Da

O pernambucano Melk Z-Da mostrou uma passarela toda branca – sim, ausência de cor total!! Sua coleção continua com ares artesanais, aplicadas em saias tulipa, bermudas, vestidos curtos e calças com estrutura marcada. Influência do militarismo, há vestidos com martingales e os looks são fortes, contrapostos às camisas transparentes e bordadas e ao canelado brilhante dos tops. Há texturas e materiais inusitados, numa coleção marcante.

OEstúdio

Depois de apresentações no SPFW, a carioca OEstudio voltou a participar do line up do Fashion Rio. A marca é um coletivo de criadores na área de design e moda. O que mostraram? Peças esportivas, de cores e materiais interessantes, mas nada de diferente do que se vê por aí, como seria de se esperar de uma marca que carrega o conceito de criadora.

TNG

Conforme a própria TNG, a inspiração para essa coleção veio dos mods, rebeldes, psicodélico, punk, op-art, new wave… Como não poderia faltas, muito jeanswer, bem clarinho (azul ou cinza), reto para eles e, no feminino, modelo cenoura com cintura alta e bem curto.

Grafismo preto, branco e coral, listras, poás e losangos… cintos coloridos tressê, escarpins com meia e gravatinhas nas meninas. Um desfile justo e pontual, sem muita piração.

Veja como foi o terceiro dia de Fashion Rio…

Cantão

Fernanda Lima abriu o desfile da Cantão, deixando de lado a pegada étnica que era sua característica quando Yamê Reis ainda estava à frene da grife (e isso não foi muito bom, a marca perdeu a identidade!).

A nova estilista Renata Simon baseou-se em uma estamparia de céu, além de florais, nos vestidos de forma arredondada e jaquetas esportivas de nylon (com babados nas costas), material que também serviu de base para outras peças – num marinho bem escuro. Um ponto alto foram as bolsas, uma mochila dourada e outra enorme, com estampa floral.

Printing

A mineira Printing desfilou modelos em tecidos como linho, algodão e seda, cobertas por bordados e pedrarias, que são tão caracteríscos da grife. As cartela de cores era discreta, poucas estampas (que não funcionaram muito bem com a profusão de bordados), em formas variadas, com muito tecido e franzidos.

Maria Bonita Extra

A grife continua apostando em suas características tradicionais, que tanto agradam sua cliente, que busca justamente esse perfil na marca: laços, estampas florais e vestidinhos femininos. Também não faltaram os macacões, macaquinhos e shortinhos (usados com blusinhas e batas). A novidade ficou por conta do tradicional trench coat, reinterpretado pela estilista Ana Magalhães de um modo muito feminino: em tafetá changeant bege com dourado, trazia babados nos ombros, ora longos, ora bem curtos (acima da cintura).

Havia, também,  vestidos florais em várias versões e batinhas de tule cor de pele transparentes para se sobrepor a todo o resto…

Ausländer

Com styling de Felipe Veloso, a Ausländer mostrou, como lhe é característico, uma coleção comercial – aquilo que os jovens gostam de usar de fato no dia-a-dia, procurou agradar todos os estilos, todas as tribos, e alçou parcerias que resultaram em peças divertidas, tais como o o maiô em tye die recortado, parceria com a Tryia, ou o paletó de um botão masculino, com flores bordadas na lapela e nos cotovelos.

Mais uma vez viu-se estampa floral, nas calças, bermudas, vestidos e camisas masculinas, e cores como roxo e azul. Outra parceria interessante – dessa vez com Patrícia Viera, bonitas jaquetas de couro, que valiam o espetáculo!! Também eram lindos os bodies de renda, e as camisetas com estampas, a cara do público a que se destina…

Alessa

O tema usado pela Alessa para desenvolver sua coleção de verão 2011 é alquimia, evidenciado nas estampas com cristais místicos. Há muitos vestidos longos plissados, longos, esvoaçantes, com estampa de caleidoscópio, usados por meninas de cabelos frisados, colares de pedras brasileiras e plataformas de madeira. Há, também, vestidos curtos, modernos, com plissados localizados, alguns usados com leggings, e  maiôs de um ombro-só.

Mais um pouquinho do que se viu nas passarelas do Píer Mauá… assim foi o segundo dia de Fashion Rio – Verão 2011!!

Redley

Em uma passarela de sal grosso, o desfile da Redley foi aberto por Carol Trentini, linda em um short cáqui de barra dobrada + overcoat de vinil. A coleção uniu design esportivo e corte de alfaiataria, incluindo uma linha de peças em nylon, ora fininho, ora bem encorpado; ora fosco, ora brilhante. A grife, que investe muito na pesquisa têxtil, mostrou tecidos naturais e sintéticos, que não eram costurados, mas construídos com recortes, tal qual é feito na confecção de uniformes náuticos.

Claudia Simões

Inspirada nas obras do pintor espanhol Pablo Palazuelo, a coleção da grife foi marcada por sobreposições, bons casaquetos, bordados de metal e cordões e colares (um pequeno toque africano!). Na passarela, vestidos, como saias de cós alto, blusinhas e coletes de modelagem simples. Houve uma profusão de texturas, desde sedas até crochê, de organza transparente a linho…

Totem

Com a colaboração de Simone Nunes (ela desfila sua marca própria no SPFW), a marca desfilou o lifestyle carioca, com muitos chemises, saídas de praia longas , shortinhos e tops para as meninas; no masculino, camisas de manga slim e decote em V, calças molengas, e shorts.

Como sempre, a Totem investe no trabalho de estamparia, que nesta coleção traz listras e grafismos coloridos, às vezes misturadas na mesma peça ou aplicadas nos calçados, ou ainda com texturas nos bordados e pedrarias aplicadas nas estampas.

Graça Ottoni

Graça Ottoni desfilou uma coleção de peças delicadas, usou muito algodão branco, de textura “amassada”, misturado a linhos, rendas richelieu e musseline de seda, além de malhas com fio lurex prata, paetês e vários outros “brilhos”. Há amarrações diversas nas peças e cartela de cores sofisticada, com branco, areia claro, cinza e preto.

Lenny

A coleção de Lenny Niemeyer trouxe uma moda praia cheia de peças com toques naturais, com muito bege e marrom, em um efeito de manchados pelo efeito do tempo, tudo desfilado por um casting de lindíssimas modelos… Mas, ao contrário do que aparenta, os tecidos são estudados, tecnológicos! E a grande sacada foram mesmo as peças feitas em parceria com Patricia Viera, em peças feitas de camurça sintética (vinda do Japão, pode molhar sem nenhum problema, desde que não se torça), com  acabamento de um tipo de película metalizada.

Depois, mostrou a saída frente-única, também de camurça, mas dessa vez feita com couro de cabra (que não pode molhar, só escovar, esse é um cuidado a se observar), babados invertidos, bandage com estampa de paisagens, desfilada por Izabel Goulart. Há, ainda, estampas florais e animal prints (tudo pintado à mão), e também diversas peças lisas, mas cheias de com drapeados oem mangas ou decotes, até mesmo fazendo as vezes de capuz. Tem até um maiô de gola rulê que você nunca imaginaria, mas ficou bom na passarela. É a mão de Lenny Niemeyer.

Minha dica para esse final de semana é um restaurante francês dotado de um certo despojamento – mas muito charme! Trata-se de um bistrô, o L’amitié (Rua Manuel Guedes, 233, Itaim Bibi, Tel. 3078-5919), do chef e proprietário Yann Corderon (ex-Azaït, Paris 6 e Saint-Tropez de Todos os Santos), que mostra aqui uma cozinha de sabores claros, sem tantos “enfeites”.

Chef Yann Corderon

O cardápio do L’amitié é praticamente todo dedicado à cuisine bistrotière tradicional, com os clássicos e receitas francesas que agradam o público em geral, do mundo inteiro. Outro ponto importante é que pratica preços um pouco abaixo da média dos restaurantes similares, do couvert às sobremesas.

É boa pedida de entrada o Poelon de champignons, uma panelinha com cogumelos salteados, servidos com um ovo  e a Terrine da casa. Há ótimas sugestões para os pratos principais, como o Coq au Vin, o Steak Tartare com batatas rústicas, o Peixe do dia à La Nage, uma tainha com caldo aromático e levíssimo, o Confit de pato e o Risoto de lulas com tomate fresco.

Poêlon de Champignon

Coq au Vin

Na hora das sobremesas, fique como o delicioso Mille-feuille, a Tarte Tartin ou o Entremet de Citron au Sabayon, as opções mais simples e saborosas. Há, também, uma releitura do tradicional Romeu e Julieta, o Sarkô-Bruni (uma brincadeira com o casal mais famoso da França: Nicolas Sarkozy e Carla Bruni), elaborado a partir de tartelete de geléia de goiaba com sorvete de mascarpone e biscoito crocante. E na carta de vinhos, uma seleção especial, importada da França e harmonizada com os pratos.

Tarte Tartin

Dois anos depois do primeiro filme, estréia hoje nos cinemas “Sex and the City 2”. E a sequência é divertidíssima, com todas casadas (menos Samantha, claro), e cheio de coisas cafonas e divertidas, além de um figurino de babar – afinal, como são todas quarentonas, usam grifes caras e passam por dramas típicos da idade, tudo sempre dramático e engraçadíssimo.

Acontece que as amigas viajam para Abu Dhabi, no Oriente Médio, e se hospedam num hotel de luxo (dez estrelas!!!), onde tem a oportunidade de vivenciar a diferença de costumes e viver problemas amorosos. Além disso, a partir do brilhante trabalho da figurinista Patricia Field, são usados no deserto looks super exóticos, além de mostrar as labels mais desejadas entre uma compra e outra, nas roupas, nos acessórios – especialmente nas bolsas.

Aliás, as coloridas bolsas que Carrie Bradshaw carrega são da designer colombiana Adriana Castro, à venda na Henri Bendel (NY), na Stanley Korshak (Dallas), na Saks (Dubai) e na Harvey Nichols (Hong Kong).

Clima “quente” no Pier Mauá, bem no clima dos desfiles de verão 2011 do Fashion Rio. Nesse primeiro dia de desfiles (27/05), já pudemos ver algumas “tendências” (isso ainda existe?), e nada melhor do que estar “updated”, e se inspirar para quando o friozinho passar!

Veja a seguir o que rolou no primeiro dia de desfiles, algumas fotos e comentários do que já aconteceu …

Walter Rodrigues

Walter Rodrigues se inspirou na África para desenvolver sua coleção para o verão 2011: escolheu um casting de modelos negras, looks de apelo étnico, saltos altíssimos e poderosos, além dos acessórios – muitos, que incluiam faixas enroladas na cintura e peças com canutilhos de madeira.

Nica Kessler

Essa foi a segunda participação de Nika Kessler no Fashion Rio, cuja inspiração foi a arquitetura déco de Miami, com o uso de suas formas e cores. Dessa vez, ao contrário da primeira, a coleção apresentada veio leve e limpa, bem comercial – do jeito que as meninas gostam, cheia de peças justas, curtas e coloridas.

Salinas

A Salinas,  pelas mãos de Jacqueline de Biase, fez uma combinação inusitada: juntou Cuba com a Bahia. Trouxe uma coleção cheia de cores, flores e muito sensual, com biquinis e maôs graciosos e com “segundas intenções”.

R. Groove

Esse foi o desfile de estréia de Rique Gonçalves, da R.Groove, no Fashion Rio. Rique foi o vencedor do primeiro Prêmio Moda Brasil, em 2008, na categoria estilista revelação, e desfilou muitas vezes no Rio Moda Hype. Seu verão veio em tons pastel, com pegada a mesma pegada esportiva, “street“, em uma coleção cheia de boas idéias.

Mara Mac

Mara MacDowell trouxe para a passarela muitas texturas que se misturavam com tecidos lisos e transparências. Mostrou pétalas de organza e grandes pontos dos tricôs, rasgou, queimou, rabiscou e tingiu. Formas lisas e minimalistas – mas cheias de decotes, vestidos retos e sem mangas, saias secas, calças curtas e tops decotados para acompanhar.

Acquastudio

Bonito o trabalho de Esther Bauman nessa coleção da Acquastudio para o verão 2011,  em que os tecidos de festa – tule e organza, por exemplo – vieram em camadas, num efeito arquitetônico complicado, mas com cara de super produção (tipo tapete vermelho!!), em branco ou off white e alguns tons fluo.

O encerramento da 27ª edição da Casa de Criadores aconteceu com o desfile de Walerio Araujo, que fez uma verdadeira festa na passarela, colocando amigos e famosos sentados na passarela. Sabrina Sato e Gorete (a antiga “Paula Veludo do Pânico na TV”), André Almada, Evandro Santo, Celso Kamura,  Stefhany do Crossfox, o maquiador Fernando Torquato e o repórter de televisão David Brasil.

%d blogueiros gostam disto: